Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Olhos de cristal

Dizem que sorrio com os olhos, falo pelos cotovelos e meto os pés pelas mãos. Em mim a anatomia não faz o menor sentido. Gosto de ler um toque, de observar com o coração e caminhar com os pés da imaginaçao

Olhos de cristal

Dizem que sorrio com os olhos, falo pelos cotovelos e meto os pés pelas mãos. Em mim a anatomia não faz o menor sentido. Gosto de ler um toque, de observar com o coração e caminhar com os pés da imaginaçao

O carácter não se mede pela aparência, nem a felicidade pelo tamanho do sorriso

08.04.18 | Olhos de cristal frio

254.jpg

 

Há dias que me ponho a pensar quem foram os iluminados que criaram estereótipos que definem quem é bonito, quem é magro, quem é bem sucedido. Que tabelas são essas segundo as quais somos classificados à luz de uma escala que faz de barómetro para sabermos em que posição do ranking nos encontramos? 

 

Gostava que esses mesmos ilustres, me explicassem como se define uma pessoa bonita? Com que base alguém pode dizer que esta é "mais" e aquela é "menos"? Se a beleza depende de quem a vê. Se é intrínseca. Se abrange valores e gostos pessoais, logo, não é de todo possível classificá-la. Há beleza em todos nós. Belezas todas diferentes que irradiam de forma singular. Uns, emanam-na logo no primeiro contacto visual. Outros dali uns minutos. Outros dali umas horas ou meses. Mas beleza existe em todo o ser.

 

 

Depois vem outra classificação genial com base nos quilos. Se tem mais de 50 kg é gordo. Se é gordo, é feio. Se é feio, não está na moda porque a moda fez-se para gente bonita e... magra!

Mas há outro estereótipo ainda pior: os bem sucedidos! Segundo as leis da sociedade moderna, ser bem sucedido na vida implica conduzir um carro topo de gama que estacionamos numa bela e grande moradia. Um tablet debaixo do braço. Um telemóvel android que levamos para todo o lado. Um salário acima da média e roupas a condizer... E pronto! Quem tem, venceu na vida, quem não tem, fracassou.

 

Por isso, vivemos todos em correria frenética, ávidos de conquistar rapidamente todas estas etapas, para que sejamos incluídos na tabela! Como se o sucesso de alguém se resumisse a tão pouco... As pessoas bem sucedidas são aquelas que dão o seu melhor em tudo o que fazem. Podem ser simples padeiros a cientistas. Mães desempregadas a artistas de cinema. Todos podemos ser bons sem precisar de tabelas. Aprendi que na realidade o que importa é vivermos bem com aquilo que somos e marimbar-mo-nos para o que dizem. Porque na verdade não há pessoas feias e fracassadas. Há apenas pessoas... com trajectórias diferentes... ambições diferentes. O difícil é de facto saber respeitar as pessoas pela sua própria individualidade. 

 

Leia também: